sábado, 15 de agosto de 2009

Vacinação anti-rábica

Eu sou muito desligada para essa coisa de dias de vacinação. Principalmente em relação aos bichos. Lá no PSF escutei dizer que iam adiar o dia de vacinação (infantil, da pólio) devido à gripe, então eu acho que associei que não haveria NENHUM tipo de vacinação, não sei. Só sei que descobri que o carro para avacinação dos bichos estava na minha rua através do vendedor de água. Ai o caos se formou aqui em casa. Contarei a estória.

Eu NUNCA tive essa coisa de "roupa de ficar em casa" e "roupa de rua", porém hoje eu havia decido não colocar os pés para fora e adiantar meus estudos que ficaram atrasados essa semana, sendo assim era fato consumado a minha permanência no pijama (coisa raríssima para mim!). Já mamily é adepta à "roupa de casa", e lá estava ela brincando com filhote igual a uma mulambinha.

Ou seja, quando o homem da água disse: "Vocês já vacinaram os bichos, né? Pois o carro está indo embora", foi um corre-corre de gente tentando se fazer apresentável para a sociedade aqui em casa, junto com a correria da cadela (já que o filhote fez a questão - no meio da confusão toda - de deixar a cadela entrar) atrás da gata, a gata emputecida se escondendo...

Eu resolvi que era mais fácil sair com a calça de moletom e apenas jogar algum tipo de blusa justa (não entrarei em mais detalhes, mas as mulheres entenderão) em cima da camiseta, enfiar um tênis e juntar a juba com a primeira piranha à vista. E foi isso que eu fiz. Alternadamente com correr atrás da cadela e tentar prender a gata no cesto de roupa suja.

Ah! Claro, tem isso! Para o cesto de roupa suja ser usado como porta-gato teve que ser devidamente (melhor dizer, apressadamente) esvaziado no chão do banheiro.

Já a Laika a gente não conseguia colocar na coleira de jeito nenhum! Bom, já deu para ter um vislumbre da cena. Lá vou eu correndo (primeiro devido a pressa e segundo pois eu estava sendo arrastada pela cadela excitadíssima) atrás do carro que já estava saindo e minha mãe com a gata atrás.

Quando o sujeito que estava vacinando me viu, saiu também correndo, em minha direção e gritando: "- Vai vacinar?" Dito isso, ele veio literalmente com a arma em punho, segurando a seringa como se fosse um revolver! Laika pulando igual a uma doida (já prevendo o acontecimento) e eu entre os dois. Ai eu disse: "- Olha, cuidado com essa agulha, hein?"Ai ele (todo cheio de si): "- Não se preocupe, estou acostumado!" E foi vacinar a cadela, SÓ QUE...

... aconteceu o que eu temia, né? Sempre! Na hora que ele tirou da bunda da Laika, a agulha foi DIRETINHO para o meu bracinho. Eu sabia!!!

Ai eu: "- Olha, vc meio que me furou."
Ele: "-Furei? Mas foi só de raspão né?"
Eu: "- Aham, mas ó, tá sangrando hein?"
Ele: "- Tem problema não, já estava sem vacina".

Ai eu pergunto a vocês: O problema é só a vacina? Ou o contato com uma porrada de cachorro cheio de trem esquisito que já havia tido? rsrs

Nisso minha mãe estava tensa, junto ao outro vacinador, já que com a gata o buraco é mais embaixo, ela faz SHOW mesmo. Ai um cara do exército veio segurá-la junto com minha mãe, devido ao "perigo". Só que, CLARO, a bichinha se comportou igual a uma lady, fazendo com que eu e minha mãe ficássemos com cara de tacho, como se nós fôssemos pitiáticas (por termos alardeado o grande problema com a vacinação felina).

Só comigo que acontece essas coisas! Ser praticamente vacinada junto com a cadela. Ai os meus vizinhos não entendem quando eu não passeio com a "pobre da cadelinha... tadinha, ela fica tão presa, né?" Isso é definitivamente para o meu bem!

Um comentário:

Laura Schwartz disse...

Olha, eu consigo visualizar perfeitamente a situação porque já passei por situações parecidas muitas vezes (inclusive trajando as famosas "roupas de ficar em casa", que aliás, você sempre implicou comigo que sou um mulambinho mesmo. huahuhauhauahuaha

Em relação ao gato, o truque que usamos em casa (e na fazenda) é segurar o gato pelo cangote e encostar ele numa árvore, e aí ele agarra as patas nela e você sai ilesa.