domingo, 28 de dezembro de 2008

Orgulho e Preconceito

Livro clássico (visto pelos "súditos da Rainha" como o melhor livro depois do Senhor dos Anéis, SIC), escrito pela autora que é considerada (tb por eles) a melhor depois de Shakespeare, MAS que eu não havia lido. Assim como Morro dos Ventos Uivantes (questão de tempo).

Inicialmente, acredito que eu, por estar há tanto tempo ser ler livros com diálogos mais rebuscados, demorei a entrar na leitura. Demorei a VER a estória, como se estivesse vendo um filme (pois é isso que ocorre quando leio). Depois da centésima página, a coisa mudou completamente e eu fui totalmente absorvida pela estória e seus personagens.

Um romance com uma ironia deliciosa, Jane Austin conta o cotidiano das famílias do séc 18, focando principalmente na estória da família Bennet, Darcy e Bingle - e as situações que ocorrem entre elas.

Ela criou personagens cativantes. O pai da personagem principal (Lizzie Bennet), o Sr. Bennet, é uma figura! Muito bom de ser lido! Satírico e irônico como poucos! Meu predileto, sem dúvida!

Mr. Darcy é um dos personagens masculinos românticos mais conhecidos da estória, então nem preciso comentar que tb é interessante: seu auto-controle, a perda do mesmo... muito bom. Uma personalidade bem marcante. Assim como a Lizzie. Os dois tem estilo e se merecem. Para falar a verdade, eu gostei da Lizzie pois ela é humana, de modo algum é uma protagonista típica.

Essa é que é a grande beleza do livro! As personagens são extremamente humanas, com suas falhas, seus erros de julgamento, suas gafes. Os fatos são, além de "humanos", reais e atemporais! E, por isso as reviravoltas da estória são tão bacanas!

RECOMENDO. Irei continuar a ler Jane Austin, e, quem sabe, até pesquisarei mais sobre a vida dela (abaixo), pois acredito que valha a pena!
Saiba mais sobre Jane Austin (em inglês)!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Mensagem de ano novo

Um 2009 com muitas realizações pessoais.

Que nos tornemos pessoas cada vez melhores, para nós mesmo e para os demais.

Que sejamos felizes e façamos os outros felizes também.

Que saibamos conviver com os outros e com o meio ambiente de forma cada vez mais harmônica.

Saúde, amor, conforto, felicidade e muita sabedoria para todos nós!

Beijinhos e abraços carinhosos da Diana!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Doze conselhos para um infarto feliz!

Recebi o texto abaixo por email, deve ser antigo, rodado, etc., mas vale a pena!

DOZE CONSELHOS PARA TER UM INFARTO FELIZ !!!

Dr. Ernesto Artur - Cardiologista

1.Cuide de seu trabalho antes de tudo. As necessidades pessoais e familiares são secundárias.

2.Trabalhe aos sábados o dia inteiro e, se puder também aos domingos.

3.Se não puder permanecer no escritório à noite, leve trabalho para casa e trabalhe até tarde.

4.Ao invés de dizer não, diga sempre sim a tudo que lhe solicitarem.

5.Procure fazer parte de todas as comissões, comitês, diretorias, conselhos e aceite todos os convites para conferências, seminários, encontros, reuniões, simpósios etc.

6.Não se dê ao luxo de um café da manhã ou uma refeição tranqüila. Pelo contrário, não perca tempo e aproveite o horário das refeições para fechar negócios ou fazer reuniões importantes.

7.Não perca tempo fazendo ginástica, nadando, pescando, jogando bola ou tênis. Afinal, tempo é dinheiro.

8.Nunca tire férias, você não precisa disso. Lembre-se que você é de ferro. (e ferro , enferruja!!. .rs)

9.Centralize todo o trabalho em você, controle e examine tudo para ver se nada está errado. Delegar é pura bobagem; é tudo com você mesmo.

10.Se sentir que está perdendo o ritmo, o fôlego e pintar aquela dor de estômago, tome logo estimulantes, energéticos e anti-ácidos. Eles vão te deixar tinindo.

11.Se tiver dificuldades em dormir não perca tempo: tome calmantes e sedativos de todos os tipos. Agem rápido e são baratos.
12.E por último, o mais importante: não se permita ter momentos de oração, meditação, audição de uma boa música e reflexão sobre sua vida. Isto é para crédulos e tolos sensíveis.

Repita para si: Eu não perco tempo com bobagens.

sábado, 20 de dezembro de 2008

O Incrível Hulk

Com Edward Norton (gosto dele!), Liv Tyler, e mais famosos (dos quais eu não saco, pois não me ligo em atores) a Marvel chegou para se redimir do primeiro fiasco verde (não assisti, mas as críticas foram unanimamente medonhas). Depois da série Homem Aranha, uma trilogia que não me decepcionou, ela me conquistou com essa ação bem contada, rápida e muito bem feitinha!

O filme conta a estória do cientista Bruce Banner, que após ter sido mal sucedido em um dos seus experimentos, se ultrapassar 200 batimentos cardíacos vira um mutante verde gigantesco, praticamente incrontrolável e com uma força "sobre-sobrehumana". Essas características são a desgraça na vida do pacato cientista, já que o fazem abrir mão de sua vida e seu amor, porém, aos olhos do "exército" elas o tornam um vantajoso intrumento e, por isso, ele se torna alvo de perseguições. Junto a isso tudo surge um outro mutante, nem tão pacífico... e o palco está formado para uma batalha mutante, com proporções imensas, somente proporcionadas por quadrinhos, onde o cientista precisará de controle para encontrar o herói dentro do anti-herói.

Vale a pena, muito gostosa (e rápida) de assitir (claro que como tudo, tem coisas a serem criticadas), com passagens pelas favelas, momentos de ação pura, risadas e até compadecimento.
Recomendo!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Ainda no clima de Natal

Eu tenho que admitir: sou infantil, ingênua, fútil, chamem do que quiser, mas eu adoro Natal.

Nessa época eu fico me sentindo bem, com uma sensação de dever cumprido, fico eufórica. Fico querendo que todos entrem no meu ideal natalino (ai o motivo da primeira frase), com enfeites, luzes, árvores de natal, presentes, ceias fartas, papéis de presentes (aham, prá quem me conhece rsrsrsr - no coments), pessoas felizes... Não idealizo essa época apenas em função dessas coisas, mas não sou hipócrita de fingir que não as adoro!

Tava andando no Trenzinho do Natal com filhote e as musiquinhas natalinas até me emocionaram... é, eu sou uma "sem noção". Porém é também nesta época que - sei lá, as emoções estão mais à flor da pele - meus olhos estão (ainda mais) voltados para fora. Eu gostaria de dividir essa sensação que me invade com todos, porém sei que é impossível e isso me entristece. Seria tão bom se todos tivessem, pelo menos, o mínimo suficiente para ser feliz...

Não consegui passar a mensagem desta vez (desculpem)... mas, finalizado, gostaria que todos fosses infantis como eu, e não só nessa época.

No clima natalino...

Desejo a todos os amigos, parentes e "visitantes anônimos" um natal cheio de alegrias, paz e muita saúde!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Muriaé, a verdade



Quase morri de rir quando um amigo me mostrou o que a Desciclopédia fala sobre Muriaé.

Cara, eles aumentaram, mas (quase) não inventaram! Ahauahuauha

Confira aqui!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Mais uma dica para quem quer rir...

... e muito!



Cara, é muito comédia! Reparem a expressão do boneco... suas sombrancelhas, muito bom!

"Silence, I'll kill you!"

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Hoje é dia!

E que dia!

Não estava querendo blogar isso, mas preciso liberar minha tensão! ( maior post de todos!)

Ontem ocorreu um episódio comigo, um pequeno acidente e, por causa do mesmo, eu não dormi bem (ok, isso acontece com todo mundo). Bom, acordei quebrada, fui para o trabalho, atendi dois pacientes a mais e alguns com bastante estresse (tudo bem, todos são exigidos). Cheguei em casa, não tinha almoço pronto.

Nesse momento quem verdadeiramente me conhece pensou: "eita, começou o problema" - eu sou sensível para comidas. Preciso estar alimentada, não sei sentir fome e fico muito estressada. Mas não, me virei, comi rosquinhas, um pouco de soja, e uma pizza de ontem (um lixo, mas tá valendo, melhor do que me estressar), empurrando com guaraná natural. Dieta saudável? menina regrada? Foi tempo!

Como tinham mil coisas a serem feitas, eu pensei: vou tirar um cochilo antes, para estar disposta a fazê-las, ai começo por coisas aqui de casa, dou uma saída, resolvo as coisas na rua, dou uma passada com Filhote no parquinho, voltando eu termino aqui e de noite eu to pronta pro meu "compromisso" às oito. (como sou iludida, meu deus...)

Dormir? Piada! Cara, Filhote tem um botãozinho "vamos perturbar Mâmili" que só é acionado quando eu tento relaxar, impressionante! Quando Vóvili está com ele, o safado pula em cima dela e dorme a tarde inteira, mas comigo? Não... claro que não! Perturbou até eu desisti de tentar dormir. Ah! detalhe, está um calor realmente infernal aqui nessa terra hoje!!!

Vou lá, dou atenção ao Filhote, ai pensei: quer saber? vou me acalmar na faxina (vide campanha), pois esta casa está um pardieiro. A-h-a-m: Mamãe, quero Mingau. Pára tudo... vamos lá. Cara... ai foi demais: o menino CHUTOU o pote de mingau, em um momento de euforia pois ia começar o desenho predileto dele. NOSSA SENHORA! Voou mingau pelo sofá, pela manta do sofá, pela almofada do sofá, tor TODO o tapete, mesinha de centro, além de em mim e nele.

Cara, no auge da minha dor de cabeça (cansaço), pensei: vou pular de cabeça da sacada (não tenho coragem) - vou correr sem parar até cansar (não dá, o sol) - vou chorar (o mingau não desaparece só pq eu ia chorar). Ai resolvi fazer uma respiração da Ioga e levemente berrar para ele ir, de castigo, para o quarto. QUARENTA minutos para conseguir tirar o grude de farinha láctea (que foi sujando a casa toda, já que eu não percebi que o troço estava grudado no pé dele, sujando TUDO - inclusive a cama - no caminho)! E vim prá net descontar minha raiva em alguém no MSN até acalmar (lembrem-se que estou só aqui).

Acalmei. Atochei iogurte no Filhote (obviamente quando o mingau voou, foi para o chão, e não para seu estômago, como deveria ter ido). Retomei a faxina. Tomei banho, acalmeeeeei. Huuuummm, que gostoso... A-H-A-M!

Antes de sair (claro gente, estava seguindo meu plano inicial de ação), resolvi confirmar se o celular estava desbloqueado (deveria ter ficado pronto ontem Às 14:00 horas, e eu já tinha perdido viagem ontem duas vezes), o cara simplesmente fala: "olha, desculpe, mas não ficou não." E só. Fim. Ponto.

COMO assim??? Sei que estou estressada, mas é que aqui nessa terra TUDO de prestação de serviços que eu preciso eu ME FODO! Coloquei a máquina de lavar no conserto, o troço pifou logo depois, comprei outra - coloquei o DVD no conserto, o troço pifou logo depois, comprei outro - filtro de linha quebrado, fiquei sem net um final de semana e, depois de muito estresse, me mandam um cara que não sacava nada e admitiu que seu ramo era telecomunicações - outro cara foi tirar xerox de uma nota fiscal importante que eu deveria enviar imediatamente por fax, e queimou a nota, ficou toda preta, eu tive maior prejuízo, só consegui mandar o fax no outro dia e o cara ainda riu!

E o povo daqui só sabe falar: "DESCULPE"! Não!!! Eu não desculpo porcaria nenhuma!!! Aquela frase "quem não tem competência não se estabelece" não serve MESMO para essa terra na qual me encontro! Pedir desculpas só não adianta! As pessoas tem prejuízo!

Imagina se EU fizesse isso? "Doeu? Não está sentindo sua perna? Desculpa!" "Luxou? Seu braço caiu? Desculpa!" "Pinçou o nervo? Não consegue andar? Ah, meu Sr., me desculpa!" " A costela perfurou o pulmão? Não consegue respirar? Me desculpe, ok?"

Ou então, advogados nos EUA, perdem a causa, de um inocente: "Você vai prá cadeira elétrica? Me desculpe por favor, não "vá" com raiva de mim, ok?"

Resumo do dia: Não fui na rua, não limpei a casa como deveria, não estou com celular, não busquei encomendas, não levei Filhote na praça, ainda estou estressada... não fiz nada de útil! Hum... deveria pedir DESCULPAS a mim mesma??

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Projeto


Frustração


Desculpem o post, mas será um cansativo (e longo) desabafo. Eu ainda deixei para fazê-lo no final da tarde, depois de dormir (como uma boa à toa), refletir, me acalmar, pois se eu o fizesse assim que cheguei do trabalho hoje, a coisa teria sido muito mais intensa.

Da minha parte, acredito que não tenho perfil para trabalhar em PSF, pois o grau de intimidade com o paciente e sua família é grande demais para uma pessoa com o meu estilo. Hospital ou clínica são diferentes, nós tratamos o paciente e não o paciente, sua família, sua casa, seu cachorro, e assim por diante.

Mas mesmo assim me adaptei e ninguém percebe minha dificuldade sobrehumana para tal, só que tem sido fisicamente esgotante, mentalmente cansativo, emocionalmente frustrante. "Energeticamente desenergizante", sim, pois agora eu acredito em vampirização da energia alheia (Nana, isso é um fato!). Claro que eu tenho culpa no processo, mas as circunstâncias não estão fáceis.

Eu sou e sempre fui comprometida, extremamente humanizada (profissionalmente falando rsrsr), estudo, faço tudo o que posso pelo paciente - pois sou egoísta a ponto de querer colocar minha cabeça no travesseiro e saber que fiz o máximo que pude dentro das situações apresentadas, sem culpa - resumo: tento ser uma boa profissional de saúde.

Porém, e quando nos dedicamos e não temos retorno? Nenhum! Até mesmo da maioria dos pacientes? Lutamos pela melhora quando nem mesmo a pessoa "está ai"! Corro atrás de soluções quando ninguém quer suas resoluções! Brigo por causas que estão perdidas pois não são relevantes prá mais ninguém, nem para a equipe, nem para os familiares e nem para a própria pessoa!

Olha, não sei, mas todos esses fatores externos acabam nos criando amarras que tiram nossa garra, fazem com que fique cada vez mais difícil a manutenção da postura adequada, da força para agir. Desestimula. (Nem vou me ater à questão "remunerativa", ok?) Como se estimular se o ambiente não propicia? Eu respondo: com mais gasto energético... e vambora, uma hora a coisa acerta. Tem que acertar.

Hum, o desgate físico tb é uma coisa medonha! Meu mundo por uma maca é o meu atual lema! Fora os materiais que não temos... condições péssimas! MAS, nem isso eu posso falar, pois escuto coisas do tipo "Vc não escolheu isso?" " É só ser criativo!" "Se os outros fazem vc tem que fazer", tudo desculpas! Pois, os mesmos fisioterapeutas que falam isso são os que comentam que não aguentam mais dez anos de profissão, por causa da coluna, por causa do desgaste, que vão mudar de profissão... blá blá blá!

Eu penso assim, escolhemos? Sim, mas nem por isso tenho que me sujeitar a tudo, temos que querer sempre aprimorar! Temos SIM que lutar por condições melhores, para o nosso bem, para o bem da profissão (kd a valorização???) e, principalmente, pelo o bem dos pacientes!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

É prá rir e muito!



Recomendo que leiam o post "Até onde vai o stress?".

Eu ri muito! Muito comédia!

sábado, 29 de novembro de 2008

Tropic Thunder


Sinopse:
Superastros de Hollywood são contratados para protagonizar a superprodução Tropic Thunder, que conta a estória de um veterano sobre a guerra do Vietnã. A equipe viaja Às locações originais para filmagem, porém os atores não facilitam em nada a vida do Diretor e o filme nunca é finalizado. Para tentar cumprir .
Para tentar cumprir o prazo imposto pelo produtor, o diretor leva seus atores ao cenário verdadeiro, com os perigos reais que a selva vietnamita pode guardar.

Gostei das sátiras, esse com certeza é o ponto alto do filme. Olha eu tive momentos de boa risada...

Está todo mundo bem no filme (aliás, o elenco chama a atenção para um filme de comédia), só não curto particulamente o Ben Stiller. Me surpreendi com Robert D. Jr. e Tom Cruise, as caracterizações estão muito boas!

Descontando as "cenas forçadas" básicas, que toda comédia rasgada tem, não teve nada que eu não tivesse gostado. Recomendo (mas não vá esperando ver nada além de besteirol!)

Ah! trilha sonora bacana também. Só o finalzinho que... huuuummmm... bobo de doer!

"- Cubram-me!
- Como faremos isso?" ahauahuha

REC


REC é um anime muuuuuito gostosinho de assistir. Série muito rápida que, em nove episódios (na verdade são dez, pois existem dois oitos), consegue contar uma singela e envolvente estória de amor.

Conta a estória de Aka, uma mulher que está iniciando uma carreira de dubladora e Matsumaru, um produtor que acaba de lançar sua primeira campanha. Os dois se conhecem e, devido a um evento extraordinário, acabam na mesma noite indo morar juntos. E o cenário está armando para o romance, os desencontros e as descobertas.

O gráfico pode não ser o mais atrativo do mundo, mas os personagens convencem, com a suas características tão humanas e seus dramas diários. Sempre com muito bom humor.

O final é de uma doçura imensa! (Eu e Laura ficamos... ahhhhh hummm rsrsrsr)

E, particularmente recomendo esse anime, que acho (não sou expert) que seja Josei. Dá prá ser assistido numa tarde (deliciosa) de domingo! Com bastante pipoca e cerveja!

A Invasão



Tinha esquecido de postar isso, como é que eu não sei...

Estava eu e um amigo conhecendo novos lugares e procurando possíveis terrenos para aquisição. Após muita labuta consegui achar um local do meu agrado, bem parecido com a minha "Terra Natal" (piada, se é que alguma coisa nessa terra se parece com Terê), e que eu me senti realmente confortável. Entendam CONFORTÁVEL, não completa.

Mas não importa, voltando ao fato: na última rua do bairro encontramos algumas casas recentemente construídas e vazias, esperando para serem vendidas. Ai, eis que surge a idéia "de rato" (impressionantemente não veio da minha cabeça, e sim da dele), "Vamos entrar?".

Cara, o troço estava trancado, cadeado no portão, que era alto. Eu de salto. Fala a verdade: o troço ia dar certto? Claaaaaro que não. Bom, lá fui eu, subi, sentei no muro, pulei lá prá dentro. Moooole! Tinha uma jardineira que facilitpu muito as coisas pelo lado de dentro.

Analisamos cada pedacinho da casa (aliás, do ovo, pois daquele tamanho casa é que não é), tentamos fuxicar a vizinha, mas não deu. Ok, satisfeitos. Ai Deus, e a volta??? É, meus queridos, ai foi que o bicho pegou! Pois, a tal jardineira facilitava o acesso, mas como pular do muro ao chão? já que não dava prá alcançar a grade do portão? Só um jeito (na minha cabeça insana), fazendo de qquer forma e vendo no que dá - ai eu pulei (no meio do caminho lembrei que estava de salto!) e fui ao chão. É, no chão mesmo, com o bumbum, direto.

Resultado: fique levemente "descadeirada" (como diz o povo) e aprendi a lição de que: 1) não se invade residências, 2) se houver mesmo necessidade não faça de salto e 3) não confie em contrutores jamais (eu fui na contrutora ver o preço da casa e o cara teve a ousadia de me falar que era grande e super bem dividida - desde quando um ovo cabe mais que um pinto?).

Morto Até o Anoitecer - Charlaine Harris


Ao terminar de ler Morto até o Anoitecer não fiquei com a mesma boa impressão que tive no início da leitura. O final, mesmo que tenha fechado a estória-chave, deixou muitas ainda em aberto (demais), para serem exploradas nas continuações. (É, como parece estar na moda, tem continuação!)

Bom, é a estória de Sockie, uma garçonete de vinte e poucos anos que, além de ter um estranho dom - telepatia-, se apaixona por um vampiro. O tal vampiro se chama Bill (é, ninguém aprova esse nome para um vampiro, mas como diz uma lunática que eu conheço "Bill é a pelido de William" - aham...), e está tentando se socializar no meio dos humanos.

Um diferencial na estória é que os vampiros podem andar no meio dos humanos, já estão sendo vistos como seres portadores de um vírus, e não como mortos-vivos ou quaiquer outras coisas montruosas. Para sobreviverem, os mais civilizados, recorrem a sangue sintético, criado por japoneses.

A trama se passa em um cenário composto de assassinatos e a busca do culpado.

Bom, inicialmente o livro me prendeu. De cara gostei dos personagens, da protagonista, de sua avó (gracinha demais), de seu chefe (tb gracinha) e do vampiro. O livro é narrado pela personagem, e uma das coisas que me atraiu é estar na mente dela, pois as suas tiradas são muito hilárias. A mente dela funciona de uma forma muito interessante, com toques de humor sutis.

Meus comentários: (TEM SPOILERS!)
Achei que muitas coisas foram previsíveis, tais como: era óbvio que algo iria ocorrer com a velhinha, o Sam guardava algum segredo, o Rene era o assassino, a morte dos seguintes personagens (tio dela e irmã do Rene), entre vários outros detalhes óbvios.

A semelhança com Twilight é ASSUSTADORA! Nossa, ai os detalhes entram também:
A questão dos móveis do quarto, a questão da leitura de mentes e o amado ser imune, a questão do cheiro de seu sangue especificamente ser "diferente", a questão da menina ser diferente dos outros humanos, fora que é o "amor" entre espécies diferentes, o triângulo amoroso entre vampiro-mutante-humana. Entre outros.

O livro me prendeu, seu humor faz bem o meu estilo, porém achei o livro muito picante, cenas de sexo explícito e cenas de, hum, manobras sexuais pesadas. Não achei uma grande estória de amor, achei sim uma questão de dependência e interesses pessoais muito forte (ele o sangue, ela a tranquilidade).

Recomendo sim, como uma boa distração, e só. Não dá prá se apaixonar.

PS: a série TRUE BLOOD foi baseada no livro.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

If Only (Antes que o Dia Termine)



Comentário pode conter spoilers e já aviso: visão "mulherzinha"!


Inicialmente em If Only somos apresentados a um casal de opostos, ela (Jennifer Love Hewitt) leve, espontânea, bem–humorada, gracinha e ele (Paul Nicholls) charmoso, mas tipicamente britânico. Achei o começo do filme um pouco forçado, vi uma menina bastante imatura emocionalmente, reclamando do parceiro em situações que, a meu ver, podem ser consideradas superficiais.


De repente ocorre um fato, o qual eu não esperava (já que não li a sinopse do filme), que muda as coisas. Ai, entra um dos clichês máximos do cinema: a viagem no tempo. Perdi a conta dos filmes que já vi que exploram esse tema!


Bom, a primeira cena pós-evento, o homem-principal dá um grito tão comédia, que só isso valeu o filme! Aliás, achei sua atuação muito boa (ao contrário das dela, que sempre são fracas).


As atitudes do sujeito tentando mudar as coisas são engraçadas, algumas desnecessárias (obviamente, senão não teria enredo) e, de repente, ele vira... tcharans: O homem-inexistente, primo do príncipe encantado!


A parte da pulseira eu morri!!! (devo estar virando, finalmente uma menininha chorona, depois de velha).


Simplesmente não gostei do final! Chorei, Óbvio.


Comentários maldosos (esquecendo que é um FILME...):

- O dia deles NÃO TEM 24 horas. Deve ter, no mínimo 32.

- A parte que ela canta sua composição para um público não-alvo forçou (cara, a orquestra nunca tinha ensaiado e o povo faz backing vocal perfeito?).

- O tal público a aplaude como se fossem mães vendo seus filhos se formarem... reparem (exagerado).

domingo, 23 de novembro de 2008

Um dia perfeito


Gente, não sei se é o tempinho (chuvoso, friozinho) ou se sou eu (que devo estar sensível e carente), mas fiquei tocada com esse filme simpleszinho.

Parece filme feito para TV (se bobear até é), que conta a estória de um homem que perde seu emprego de 15 anos e, com a ajuda da esposa, reconstrói sua vida, como escritor. Só que, devido ao seu estrondoso sucesso, sua vida começa a mudar e ele acaba por se deixar levar pelas circunstâncias e muda seus valores sobre a vida. Porém, devido a uma "figura misteriosa" ele se vê obrigado a repensar esses valores.

Minha opinião: (pode conter spoilers)
Como disse, filme sem grandes atrativos. Não tem aquela maravilhosa fotografia, cenários estonteantes, atores renomados, direção "spilbergiana" e tal. Mas é um filme simples que me tocou verdadeiramente.

Queria ser como a personagem feminina, doce, que incentiva o marido, o escora, porém sem perder suas opiniões e com atitudes seguras e acertadas. Queria ter um marido como aquele (do início do filme), mas na minha atual (e pessimista) visão, aquela família é inexistente.

Espero que esse filme fique por um longo tempo na minha cabeça, para me inspirar a ser melhor, almejar àquilo e saber que, se tentarmos, pode ser possível.

Recomendo esse filme: para quem quiser repensar seus valores (Ai que post sentimentalóide...)

Uma imagem...







...vale mais que mil palavras (2)!!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Primeiro "acidente" Fuscal

E "O" fusca está de volta!!!!!! Assim como as confusões em que eu me meto dentro dele!!!

Só rindo... percebam as fotos!!! AHUAHUAHUAHUAH







É gente... "He" is Back!!!!

P.S. (sério): Até o mecânico que me guinchou comentou que realmente estava impossível de ver o buraco! Estou pensando seriamente em processar a prefeitura.

Anatolia


Descobri em um outro Blog (Shoujo Café) esse mangá e, na minha primeira olhada, já achei muito interessante.

Está ainda no quarto capítulo e conta a estória de uma menina que é transportada a uma cultura totalmente diferente da sua, em um passado longínquo. Lá descobre que é perseguida por sacerdotizas que desejam seu sangue para a realização de um ritual no qual visa a morte do herdeiro do trono real. Tal herdeiro, após alguns acontecimentos, passará a defender a menina, por motivos próprios (seu sentimento - ainda não totalmente revelado - e sua própria pele).

Mangá adulto. Cenas românticas, alguns clichês (como sempre), mas algumas cenas bem fortes também.

Recomendo!

Até o 4º volume AQUI!
Após (inglês) AQUI!

Dia de trabalho, troca e reposição energética


Acordar (com sertanejo pois rádio aqui não toca outra coisa, principalmente nesse horário). Me arrumar. Todo dia queijo-quente com café. Partir em direção ao trabalho.Vou pela BR cantando, a pé. Nesse momento escuto James Morrison.

Vários trabalhadores, que saem no mesmo horário do que eu e esperam sua condução, olham "a doida", que anda sempre de rabo de cavalo, óculos escuros "raiban" e a mesma roupa sempre (eu mudo, mas o estilo é sempre o mesmo - blusa branca justa e bermuda branca até o joelho), que canta pelo caminho. Não faço a menor idéia do que passa pelas suas cabeças, mas TODO dia eu me questiono. Será o que comentam? Será que, ao menos, o fazem? (egocentrismo? timidez?)

Chego na primeira casa, resolve-se. Entre a primeira e a segunda, peço paciência e canto. Segunda casa, engulo sapo e resolvo. Agradeço por ter saído de lá. Terceira casa, trabalho com gosto e agradeço por ter ao menos algumas assim. Quarta casa existe uma "complicação" - uma pessoa com transtornos psiquiátricos grave - tenho medo, trabalho e fico feliz ao terminar. Posto (o que ocorrerá?) - "confraternizo", descubro mais problemas e algumas soluções e mais trabalho. Quinta casa, trabalho com gosto. Sexta casa, apreensão - algo errado? Duas visitas extras - só de bater o olho penso: problema, e o resolvo. Última visita: muita dedicação.

Olha, quem não acredita (assim como eu não fazia) que as pessoas liberam energia e impregnam as outras, me desculpe, mas isso REALMENTE OCORRE! 12:30 h estava plenamente ESGOTADA. E é um cansaço que não acaba, que não é "descansável".

Tem que repor energia. Mas como? Como a repomos?

Curtindo... bebendo... exercícios físicos... apaixonando-se!

Hum... não posso beber direto, virarei alcóolatra! Exercícios físicos no momento são impossíveis devido à questões como falta de tempo e não poder me ausentar de casa (quem me conhece sabe)! "Curtir" (meus hobbies) entra na mesma questão (não posso me ausentar de casa).

APAIXONAR-SE! Putz!! eita... vou ficar eternamente sem energias...

Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii turminha... que saudades de vcs: Rê, Vivi, Rachel (doida), Nana (e o Lost), Carol (e os telefonemas), Luana (e a praça), meninas do trabalho (rir muito), são tantos e por tantos motivos. Acho que poderia sugar um pouco da energia de vocês agora...

sábado, 15 de novembro de 2008

Música - James Morrison



Estou na minha fase de procura por novas músicas.

Sou, como posso dizer... Sazonal? Em relação à músicas, sim. Sendo assim, de tempos em tempos, eu caço um novo repertório, ou melhor, uma nova "trilha sonora".

Nessas minhas buscas achei um cantor que estou simplesmente amando!!! Chama-se James Morrison. Bom, ai fui pesquisar e descobri que sou muito ignorante. Esse "menino" já é muito conhecido e famoso. Putz, tava crente que era uma descoberta exclusiva... rsrsrsrs

Bom, está no segundo CD, "Songs For You, Truth For Me", que está um arraso!! Porém, foi seu Cd de estréia "Undiscovered" que o projetou longe, tendo recebido o Brit Award e liderado os mais diversos rankings nas tabelas internacionais.

Mescla (segundo povo que entende) o melhor do blues com elementos de jazz, soul e pop. Vale muito a pena conferir!

Olha, dê uma olhada nas seguintes músicas: The Only Night, Save Yourself, Nothing Ever Hurt Like You, You Give Me Something, Fix The World Up For You, You Make It Real...

sábado, 8 de novembro de 2008

Detesto Poemas



Detesto poemas,
Poemas são bobos,
Poemas são tolos,
São chatos de ler

Poemas rimados,
Parafraseados,
Todos rebuscados,
Até bons de ver

Porém os poemas,
São armas faceiras,
Arrebatadeiras,
De amates "deprê"

Prá que ler poemas?
Se a vida da gente
Já tem gradiente
Suficiente para preencher

Então, prá que escrever?

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Uma imagem...

... vale mais que mil palavras!


(Copiada de uma assinatura do PDL)

E essa aqui é muito boa!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Yamato Nadeshiko Shichi


Quer ver um anime, no mínimo, diferente? Mas que te faça dar umas boas risadas? Pois AQUI está!

Sinopse: Uma menina que, por uma desilusão amorosa, entra em um mundinho totalmente dark. Então sua tia (uma milionária linda e excêntrica) resolve tentar tirá-la dessa situação, sendo assim faz uma aposta com quatro rapazes lindos e maravilhosos. caso eles consigam tranformar a menina em uma "lady", eles terão gratuidade da mansão em que moram, caso contrário, o aluguel triplica. Eles aceitam, contando com seu sexyapeal e carisma... mas quando conhecem a menina começam a achar que as coisas não serão tão fáceis.

Minha opinião (pode conter spolier!): Estória simples, não tem um enredo tão elaborado, brinca muito com a sátira e crítica através de situações absurdas.

Ainda estou no início(zinho), mas já se conhecem personagens muito comédia e totalmente inexistentes (o que só os animes são capazes) como as irmãs "Goth-Goth-Loly-Loly" (algo assim), bizarras.

Aliás, o anime é regado a coisas bizarras e tiradas divertidas. Ri um bocado! Mas ainda é cedo prá tirar melhores conclusões.

domingo, 2 de novembro de 2008

Marido X Computador



Hoje, após o extresse matutino com meu atual companheiro (o computador), eu cheguei à seguinte conclusão: prá que marido se eu tenho um computador? Vamos as análises:

Maridos extressam - Computadores também: descontando que o computador a gente pode, simplesmente, puxar da tomada.

Maridos divertem - Computadores também: Olha, computador eu SEi que diverte. Maridos eu já ouvi falar, pois são exemplares raríssimos os que vêm com esse item de fábrica (humor). Fica aqui aberta a sessão de coments para quem conhecer uma dessas raridades comentar.

Maridos dão prazer - computadores também: Bom, ai é a coisa, se você souber usar o computador e extrair dele o que deseja, você terá satisfação garantida. Maridos nem sempre satisfazem...

Maridos são "financeiramente ativos" - computadores também podem ser: Utilizamos essa ferramenta para trabalho muitas vezes (lucro), e o consumo elétrico é mínimo (despesa). Agora, os maridos, quando tem remuneração, podem não colaborar ou fazerem de forma insuficiente, porém suas despesas são infinitamente maiores do que a da máquina.

Maridos dão trabalho - computadores o facilitam: Pois uma das vantagens de se estar casado para os homens é a continuação da "moleza doméstica" imposta por suas respectivas mamãezinhas... o que me leva a lembrar de outro tópico...

Maridos tem mães - computadores não: no coments. (Aliás!!! Família, de um modo geral)

Maridos falam - computadores não: Ou você está gordinha ("olha o pneuzinho") ou não (só aparece osso!). Bom, não faz o meu estilo, mas o computador ainda vem com ferramentas que melhoram sua auto-estima, vide photoshop.

Maridos comem - computadores não: E reclamam ("não gosto de comida requentada", "não tem bife não?", "tem bife de novo?","comida tá gordurosa, hein?", comida tá precisando de uma gordurazinha, tá sem graaaaça", "pão com fibra é coisa de "viado"", "pão sem fibra prende meu intestino", ...)

Maridos são inconstantes emocionais - computadores não: Ou eles enchem teu saco por atenção ou reclamam que você está em cima o tempo todo. Isto é, ou vc faz demais, ou de menos. Computadores não exigem nada, só servem.

São tantos... vou simplificar. Computadores não dividem banheiro com você, computadores não tiram seu espaço na cama, computadores não cortam unha na sua cama, computadores não bebem água o dia todo e deixam o copo na pia, computadores não tem ciúme, computadores deixam você fazer o que quiser e te dá liberdade total!!

Tá, gente, foi só um desabafo de uma solteira revoltada com o computador que, embaixo de um sol infernal (do meu atual planeta) cozinhou os miolos e saiu pensando coisas insanas sobre casamento...

Eu sei... computadores não tocam... rsrsr Eu sei... tantas outras coisas...

Mas... me deixem ficar revoltada de vez em quando, tá? É prá não perder o hábito.

Kimi ga Nozomu Eien


Comecei a assistir o "Kimi Ga" achando que era uma coisa e, felizmente, me surpreendi! Um enredo muito bom, maduro, mostrando os dramas do início da vida adulta.

Tem de tudo um pouco, romance, uma leve descontração, mas o forte mesmo é o drama. Anime adulto, cheio de mensagens nas entrelinhas.

Sem personagens inexistentes, eles se apresentam como nós, cheios de dúvidas, falhas, atitudes impensadas, com consequências complicadas para se resolverem. Muita crise pessoal e indagações constantes sobre sentimentos.

Sinopse (spoiler!) : Grupo de amigos no final da escola, decidindo o que farão com seus futuros. Nesse momento surge, com a ajuda de Mitsuke, um romance entre Suzumiya e Narumi. Porém um incidente interrompe o romance, e Mitsuke e Narumi começam uma estória de amor, muito regada à devoção, culpas, inseguranças, isto é, um romance real. Não idelizado. Bom daí a estporia se desenvolve.

Olha, vale a pena mesmo!!! Esse eu recomendo!

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Muito para Falar, pouco para Dizer...

(Desculpe, Tia Heloísa, mas na falta de imagem melhor...)

Sem assunto, mas quase morrendo de calor e tédio resolvi postar. Mas sobre o que?

Tanta coisa passa pela minha cabeça. Mas tanta coisa meio "fora de propósito" que dá até medo. Sendo assim, comentarei sobre a questão falar e dizer. Não aceito os dois como sinônimos, mesmo que no dicionário (e no Tio Word) elas sejam assim consideradas.

Pelo dicionário, se Dizer for intransitivo ele é sinônimo de falar, se for transitivo, ele propriamente não é (expor, enunciar, exprimir por palavras;
proferir;discursar...). Ainda pelo dicionário, se Falar for intransitivo (articular palavras; conversar, discursar...), e se for transitivo é (proferir palavras, dizer...)

Eles seriam sinônimos em "transitividades diferentes". Isso existe?

Tá, não interessa (já estou sendo loucamente prolixa), vamos chegar ao objetivo. Ao meu ver, falar e dizer não é mesma coisa. Quando você fala, vc simplesmente exprime palavras. Quando você diz, você tem algo a expor, alguma idéia, algo a acrescentar.

Não estou julgando o conteúdo das idéias, mas simplesmente o fato de serem organizadas e repassadas. Sendo assim, cada vez as pessoas falam mais, ou estão cada vez mais dizendo coisas sem uma real validade.

É, hoje eu estava afim apenas de falar, mas sabe que lendo isso agora eu to achando que Falei demais, porém nada do que eu Disse tem real sentido?

É, acho que está virando um hábito... de repente, por serem poucos os que ouvem e muito os que escutam (que, prá mim tb não são sinônimos).

Queria poder dizer mais e ouvir mais ainda.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Green Green

Estória de duas escolas secundárias (uma exclusivamente feminina e outra masculina) que fazem um teste, por um mês, para ver se dará certo uma junção futura. Sendo assim as meninas se alojam no colégio masculino, que fica no meio de um bosque.

Só daí já dá pra perceber como “sem noção” é a estória, tem cabimento misturar adolescentes de sexos opostos, pela primeira vez, no meio da mata? De noite? É, daí dá para ter uma idéia das coisas que sairão: romance, sexo (ou tentativas) e muita confusão.

Minha opinião: (pode conter spoilers!)

O personagem principal masculino só entra em furada (proposta pelos outros), impressionante, mais do que em qualquer outro anime que eu tenha visto. Parece que na série toda só tem dois personagens “normais”, o Yuusuke e a Futaba.

Cenas totalmente absurdas e apelativas, onde o foco principal é a tara dos meninos, ilustrada por um festival de meninas de lingerie.

Comédia, e muito comédia. A cena da banheira (Ep. 02) eu quase morri de rir!!!

Tem cenas simplesmente ridículas, principalmente levando em conta os três amigos tarados do personagem principal. No Ep .06 tem uma cena (entre os três) que simplesmente choca, de tão depravada (na sala de ginástica). No Ep. 07 os três tb encenam a cena patética do episódio (vestidos de mulher). Ou seja, é uma constante. Coisas inacreditáveis!!!

Dica: não assista esperando grandes emoções, mas se você quiser pensar em nada e rir um bocado, vale a pena!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Onegai Teacher


Estória de um casal, formado por uma extraterrestre (que está aqui a fins de pesquisa) e um adolescente que tem uma doença rara. É um shoujo de 12 episódios (+1 OVA) que mescla partes dramáticas, românticas e cômicas.

Quando eu resolvi assití-lo foi justamente pela parte cômica, porém, depois que terminei não achei essa graça toda que as pessoas comentam em parte nenhuma. Aliás, tem partes até dramáticas demais (para um shoujo, claro).

Esse anime tem um foco um pouco mais, hum, insinuativo. Já o OVA (que termina a série) é bem mais engraçado e, definitivamente, mais picante.

Olha, é uma série beeem rápida e que diverte bastante. Porém não achei inesquecível e os demais atributos, como trilha sonora e gráfico também não são os melhores que já vi. Mas vale a pena conferir!

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Tempo de sobra, Paranóias Modernas e afins

Fonte da imagem: Blog seja o que for

Sobrar tempo demais é muito complicado, pois raramente o aproveitamos da forma devida. Eu tenho algumas teorias:

- Quando o corpo está ocupado (de uma forma saudável) a mente trabalha de maneira mais otimizada. Ou melhor, evita o supérfluo, já que tem que guardar espaço para absorver da melhor maneira todas as informações.

- Quando o corpo se excedeu a mente é albergada. Isto é, os pensamentos chegam a estar relativamente no modo “racionar energia”.

- Quando o corpo está fazendo nada - sedentário, a mente cria asas. Mas entendam, como toda criatura que cria asas do nada, ele se empolga. Ai é complicado o consciente segurar a onda, e a coisa vai se avolumando, até que surgem as (como chamar?) Paranóias Modernas.

Tais PM (paranóias modernas), podem ser de vários tipos, agudas ou crônicas, ransitórias ou estabelecidas, sinestésicas ou estáticas, letárgicas ou ansiosas, sensíveis ou agressivas, isso depende de quem está passando e do momento.

A mente do acometido por PD não funciona direito, forma opiniões para no segundo seguinte perceber que pode estar enganado, concentração zero, falta de foco, apatia que mescla com euforia, atitudes não condizentes com sua personalidade, que aliás, aonde se meteu? Ocorre que, no meio disso, perdem-se as verdadeiras pessoas.

Acredito que estou numa fase de PD. Paradoxal, já que é devido ao excesso, mas ao mesmo tempo, falta de atividades. Produção útil? Zero. Acréscimo ao planeta? Zero. Utilidade para humanidade? Zero.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Karekano - 2

Comentário re-editado!

Continuando o comentário sobre e série (não que eu pretenda fazer isso contantemente, prá não cansar ninguém), devo destacar alguns pontos.

A série seguia muito bem, ai, vou pedir licença e meio que copiar a idéia de um outro "comentarista": na primeira parte a estória se fixa nos protagonistas, na segunda somos a apresentados aos outros personagens, na terceira o foco é perdido e a série desanda. Infelizmente!

Olha, começa um drama muito pesado que não é resolvido no final! O último episódio é quase ruim!! Em dois outros do final, o gráfico é feito em outro estilo, sendo que eu um usam uma técnica diferente (péssima, feia) e no outro a quilidade é lá embaixo!

Trilha sonora muito boa, estória boa, mas não seguiram o mangá. Depois fui descobrir que não era para ter acabado, mas que cancelaram o projeto. Então o anime vai apenas até o sétimo mangá, sendo que no total são 21 mangás, então nem preciso falar que a estória ficou pelo meio né?

Deu raiva! Deu pena!

Bom, mas fica aqui a dica: vale a pena, mas não esperem um final como era merecido. (Como eu esperei até o último segundo!)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Death Note

Muito boa qualidade! Confira aqui!

Estória bacana, conflitos fortes. Gráfico muito bom. Anime que agrada "adultos", por conter imagens mais fortes.

Não posso cometar direito ainda, já que estou muuuito no início, mas pelo o que eu vi, em quatro episódios, vale muito a pena!

Segue pequena sinopse:
Um dia Raito Yagami, que se considera pleno em decidir o melhor caminho para o destino da humanidade, acaba encontrando em suas mãos um Death Note, item pertencente aos deuses da morte - Shinigamis -, no qual, uma vez escrito o nome de uma pessoa, seu destino imutável é a morte. Agora, aliado ao shinigami Ryuuku, o jovem finalmente tem os meios dos quais necessita para praticar aquela que ele considera a verdadeira justiça.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Suporte da Speedy

Quase morri de rir quando um amigo meu me enviou esse link, mostrando como a galera do suporte sooofre!

Se bem que, com a raiva que eu to da "turma de suporte do Velox", eu (hoje) acho que essa raça merece!!! Rsrsrsrs

Chequem o link--> http://vadiagemdiariabackup.blogspot.com/2008/09/help-desk-da-speedy.html

sábado, 18 de outubro de 2008

Karekano

Comecei a ver esse anime, que é o típico romance colegial, onde uma menina super obcecada com sua imagem e um menino "perfeito" conhecem o primeiro amor juntos.

O anime faz uma crítica sutil ao excesso de preocupação em relação à perfeição na sociedade japonesa, mostrando que devemos ser verdadeiros com nosso eu interior, não forjando nossa imagem.

A estória ainda conta com outros eixos como adoção, formação de família... entre outros. É contada com toques de humor, drama e picos de romance.

Estou assistindo o nono de vinte e seis (ainda), mas recomendo para quem gosta dos animes de romances. Confiram aqui!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Novidades: banda larga!

Deus deu asa à cobra!!

Mesmo tendo sido a "Última das Tchucarramães" a ter banda larga, cá estou eu! Se antes, que eu era uma mera internauta de 30 Kbps fazia mil coisas, imaginem agora com 600? Hum? Hum? O céu é o limiteeeeee!

Primeira sensação é louca, já que você não sabe o que vai baixar primeiro, tantas são as coisas que têm que ser atualizadas, tantos são os novos recursos que se abriram prá você.

Primeiro as coisas "sérias" (antivírus e atualizar todos os programas que você usa ultimamente), depois aquelas coisas que todo mundo viu menos você, depois seus luxos pessoais, depois seus hobbies... e a lista não pára.

Bom, hoje à noite, voltando prá casa com um novo conhecido, discutindo exatamente isto - "o mundo moderno dependente de conexão" - ele me conta que divide a velox com os vizinhos, mas que a esposa do vizinho (que se encontra desempregado) vive perturbando.

A tal senhora diz que computador ligado (para manter todos os vizinhos conectados) gasta luz e tal, infernizando o marido, até que ele desligue a rede. Deixando todo o resto "da gangue" na saudade.

Sábado passado o desespero foi tanto de um dos "vizinhos-associados-ao-esquema" que ele esperou o vizinho-mor e sua esposa sairem de casa e a INVADIU, apenas para religar a rede.

Isso, invasão de propriedade por crise de abstinência de conexão. É... o pior é que eu nem consigo julgá-lo.

domingo, 12 de outubro de 2008

Estória de Maria Biquinão e Teleket

Cada coisa que se ouve. Chegando no trabalho na sexta-feira, comentei que detesto vizinhos à toa, que ficam nas portas ou calçadas, principalmente quando a calçada é a MINHA.

Ai, uma colega de trabalho me contou a estória de um casal (sei que é errado colocar “nomes” verdadeiros, mas esses eu TIVE que usar), que se chama Maria Biquinão e Teleket. Que “raio” de nomes são esses? De onde saiu isso?!?!?

Casados, pais de três filhos. Gostam muito de uma confusão na calçada nos finais de semana, como diz a minha colega, por causa da “MaRdita”, da “Xiboquinha”, ou quaisquer outras denominações.

O coitado do Teleket nem é tão mal assim, só curte uma cachacinha (chamaremos de MaRvada, ok?), segundo me contaram o cara é trabalhador, não tem tempo ruim para pegar “no pesado”. A Maria Biquinão é que é a terrível. Essa ai realmente é a amante da MaRdita.

No domingo estavam em uma de suas confusões habituais, ai as pessoas, mesmo já acostumadas, começaram a se sentir cansadas, pois a coisa toda havia começado por volta das nove horas e já eram meia noite e a bagunça não acabava.

Vizinhos colocaram suas cabeças para fora das janelas e pediram silêncio, o que não adiantou, pois quando Biquinão e Teleket estão envolvidos na fight nada os distrai. Ai quando se ouviu, “Óóóóóóóó Telekeeeeeeet, eu vou pegar uma faca pra enfiar nesse seu pescoooooooooço!!!!” o povo correu.

Polícia, pensaram, único jeito. Obviamente a polícia não veio... o que seria um Teleket a menos no mundo para eles? Nada. Mas a briga acabou (até que recomece no outro domingo – Ih! Hoje deve ter... ) e segunda de manhã o mundo voltou ao normal para Biquinão e Teleket, como se nada tivesse acontecido, como todas as vezes.

Depois de ouvir a estória eu disse: “eu preciso ver essa cena (que não foi devidamente descrita já que – infelizmente – sou levemente desmemoriada e os detalhes comédia mesmo eu esqueci), pois deve ser Hilária!” Já que, imaginem, isso tudo como mais carregado sotaque mineiro!!!

Mas ai a minha colega disse: Hilária? Só se for contando aqui, pois pra quem convive com isso semanalmente é um saco! Nesse domingo eu botei a cabeça pra fora e gritei: “Pára com isso seus FDP*, por que eu quero dormir!!” – e completou – “Ai depois até fiquei culpada, pois a mãe deles não tem nada a ver com isso, coitada da dona Maria”.

Ai o detalhe: essa minha colega é crente, quietinha, tranquiiila, uma perfeita mãe de família. Para essa mulher perder a paciência com o casal Biquinão e Telekete é porque eles abusam mesmo... rsrsrsr

sábado, 11 de outubro de 2008

Expressões

Papa-Anjo

Estando sozinha essa semana eu tive bastante tempo para pensar. Entendam, nada útil, só pensar. Cultura inútil, sabem?

Algumas expressões vieram à minha cabeça, mas a que mais se fixou foi “Papa-Anjo”. A questão é: de onde elas saem? Quem será a primeira criatura que inventa as coisas? Deveríamos pagar pela propriedade intelectual...

Complicado achar a origem das expressões, pensei que fosse mais fácil. Bom, então recorri ao bom e velho dicionário, nada. Internet deve ter, não é possível! Olha, acredito mesmo que tenha, mas na MINHA busca não encontrei o que queria.

Encontrei coisas muito interessantes, menos "Papa-anjo". Só o significado: "Pessoa que fica ou namora com alguém muito mais novo(a) que ela(e)". Dããã, isso todo mundo sabe. Mas de onde saiu? Nada...

Bom, então parafraseando:

Quem inventou isso partiu do princípio que o agente-experiente (o papador) estava lesando (de alguma forma) a inocência da criatura (o anjo).
Isso quer dizer que nos dias de hoje essa expressão poe ser praticamente abolida! Atualmente encontramos pessoas jovens (mais novas) ingênuas, inocentes? Hum-Hum? Só rindo. Se bobear os papéis estão invertidos!
Outro fator: o anjo, por ser um "ente espiritual, intermediário entre Deus e o homem", poderia ser considerado um ser mais sábio, não? Se ele aceitou, sucumbiu, caiu na tentação, ou o que for... ele sabia muito bem o que estava fazendo, não?
Sendo assim não haveria mal nenhum em olharmos para o "céu" na esperança de encontrarmos algum anjinho... Rsrsrs

Espero-te, meu anjo, meu espírito, luz e tempestade.
Espero-te num raio de crepúsculo atravessando as trevas do meu horizonte.
Espero-te...aqui nesta minha margem, onde perscuto o infinito e tento vislumbrar-te.
Espero-te...
(3lobite )

Algumas origens de expressões: (Vale a pena conferir!!!)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Junto com o calor... Mosquitos

Vários Tipos, Vários sons...

Na minha nova terra eu ainda não tinha ainda sido visitada por este tipo de criatura. Porém desde domingo que eles resolveram acampar aqui.

Minha cama parece ser o local mais em alta.

O domingo a noite já foi meio que infernal, fora que o cachorro latiu, gato miou, o calor matou... os mosquitos quase me carregaram e, quando eu os ataquei com repelente e remedinho eles quase me deixaram louca.

Por que anunciar a chegada? Essa é a grande questão! Alguém já fez estudo para saber o motivo daquela barulheira toda?

E, se eles têm preferência por morder nas juntas (claaaaro, por saberem que coça mais), por que eles têm que ficar dando passadinhas pelos ouvidos? É pressão psicológica???? Que isso?!

Ok, ganharam, são quatro horas da manhã e eu simplesmente desisti de dormir (prá que? Se Da Vinci não dormia oito horas por dia, por que eu tenho que fazer?) .

Estou aqui, ao lado do repelente (lutaremos juntos até o final), pensando em saídas alternativas (já que o repelente + remédio de parede não resolveram):

1) Ventilador? Atrapalha o vôo, será? O ventilador causa alguma turbulência?
2) Vela de andiroba?
3) Remédio mais potente.
4) Mosquiteiro.
5) Ir para o Pólo norte (já que tb não vai ter o maldito caloooor!) - é só esperar abrir concurso...

Bom, nesse momento acho que não tenho capacidade prá dormir só 15 minutos (de cada vez) como Da Vinci, então vou voltar prá guerra campal na minha cama (contra mosquistos, droga...), mas se alguém tiver alguma sugestão eu estou aberta, ok?

domingo, 5 de outubro de 2008

Calor

Outubro chegou trazendo consigo calor. Muito calor!!!

No sol quase podemos escutar o barulhinho da nossa pele estalando, como o ovo quando cai na frigideira.

Pode ser apenas impressão de uma moradora de Serra (altitude 900 m) que vem parar no calor da Zona da Mata Mineira (máx 200 m de altitude), mas acredito que não.

As galinhas (vizinhas minhas) estão meio desanimadas, até os perús sumiram (ééééé gente, o "circo" macabro continua aqui na frente de casaaaaa!), acredito que todos, sem exceção estão sofrendo com esse calor.

São vários os problemas oriundos dele (para mim):

- Mal estar;
- Inquietude;
- Sensação de inchaço;
- Não consigo utilizar o cérebro, já que entrou em estado de espera (espera até a coisa refrescar - deve ser);
- Vontade de entrar na água e não sair mais;
- Vontade de emburacar na cerveja e não parar mais;
- Mosquitos me comem.

Tentando raciocinar (com 20% do cérebro), cheguei a triste conclusão:

Se eu não estivesse emburacando na cerveja eu não estaria com sensação de inchaço e estaria raciocinando melhor, no mínimo. Porém, é melhor continuar assim do que parar e aumentar o mal estar e a inquietude.

Em relação aos mosquitos eu posso me encharcar de repelente... que dará a sensação de estar embaixo d'água, já que aquilo tem álcool e refresca.

É, cerveja é a salvação mesmo, já que eu descobri que essa Terra em que me encontro é uma cidade de praia! Só que sem o mar!!!

Alterando ditado "quem não tem cão caça com gato": "Se não tem água, tomo cerveja".

domingo, 28 de setembro de 2008

Descoberta pessoal

Nesse meu tempinho de “férias forçadas” (não que sejam mas, para me conformar, é melhor pensar assim) estou tentando me descobrir, ou me redescobrir.

Acredito que todos nós nos perdemos, mesmo sem querer ou mesmo sem noção, devido às influências externas que insistem em nos tornar cada vez mais integrantes ao todo. Com isso perdemos nossa individualidade.

Individualidade deve ser entendido diferente de individualismo, ok? Estamos, SIM, cada vez mais individualistas, porém perdendo nossa individualidade. Paradoxal.

Não nos percebemos mais com nosso estilo próprio, ou cada vez mais o perdemos. Devemos resgatá-lo, porém ser fazermos disso uma defesa ou arma contra o próximo, pois assim nos tornaríamos individualistas.

- O seu estilo predileto de música é próprio ou foi "herdado" de algum lugar?
- Você realmente gosta de televisão? Ou faz isso apenas para albergar sua mente?
- Você vive preocupado com o seu corpo? Com a sua imagem no geral?
- Você vive preocupado com a sua performance? Sempre tem que dar o seu melhor?

- Você está satisfeito com a forma que você está vivendo?
- (...)

São tantos os questionamentos a serem feitos, desde os sérios até os superficiais. São tantos os questionamentos que tenho me feito (é gente... tempo ocioso é triiiiste!!).

Uma observação singela (rsrsrs): mente vazia realmente é oficina...

Voltando... acho cada vez mais que temos que tentar parar e tentar tirar alguns momentos para nos manter em algum universo paralelo, criado por nós, onde há somente nós, um espelho e uma lente de contato mágica.

No espelho deverá ser refletido apenas o seu verdadeiro EU, e a lente de contato não deixará que nossas vistas sejam turvadas pelos estímulos externos, assim avaliaríamos e julgaríamos a nós mesmos sem preconceitos.

Tenho certeza que seríamos mais verdadeiros, “leves” e, consequentemente, felizes.

PS: Shrek foi minha ispiração para o post.

sábado, 27 de setembro de 2008

O testamento - Nora Roberts

Por incrível que pareça é um livro único, trata de uma família, mas não é (estranhamente) uma trilogia.

A estória se inicia com a morte do patriarca que, por testamento, obriga suas três filhas (que foram criadas separadas) a conviverem por um ano, sem poderem se afastar. Como vieram de realidades diferentes e são completamente estranhas, o convívio é difícil e elas devem se adaptar a inúmeras situações.

Não bastando isso uma séries de crimes entremeia a estória.

Minha opinião: (Pode conter spoilers!)

Livro bacana, com um bonito cenário e com um enredo que não se baseia apenas em sexo ou romance. Não é uma obra prima, mas distrai bastante.

Por serem “três estórias” acaba que se torna um pouco comprido, mas a trama é bastante ágil, poderia facilmente ser transformada em um filme. Apenas o finalzinho que deixa a desejar.

Os homens do livro são, como sempre, muito interessantes. Nesse, em especial, o Adam, meio irmão de Willa (principal) é humanamente impossível. Rsrsrs

Mesmo contendo vários clichês, típicos da autora, esse livro agrada um número maior de público.

Se vc é politicamente correto, compre-o, caso contrário... http://www.esnips.com/doc/dc8131fc-386c-48b5-b951-101b7549a5a2/O-testamento--Nora-Roberts

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Roceira da Cidade

Carrapato

Estava eu na mina, furtando terra. Para “alimentar” meu novo hobbie (abaixo).

Depois de lutar contra trezentas minhocas (é, eu adoro jardinagem e tenho pavor de minhoca – o mundo é cheio de contradições), atolar na lama e carregar um carrinho de feira com trinta quilos de terra escada acima, eis que aparece a surpresa.

Na hora do banho descubro um inofensivo carrapato agarrado à minha barriga.

Agora eu me pergunto: por que a barriga? Não podia ser na perna? Como ele chegou lá, sem eu ter descoberto? Minha única resposta: deve ser iguais aqueles homens que amam churrascaria – fazem quaisquer coisas por um bom pedaço de carne com gordura...

Arraquei-o sem dó. E o matei em seguida. O pesadelo acabou? Não! Doce foi a minha ilusão. Vindo de mim é claro que algo extraordinário tinha que surgir. Um processo alérgico começou mais forte ainda que o falecido carrapato.

Moral (e final) da estória: mais vale uma coceirinha de um único guerreiro do que uma guerra de coceira pelo corpo inteiro e passar o dia dopada de anti-alérgico.

Na próxima vez devo pensar na expressão arrancar “o mal pela raiz” e não deixar a raiz (ferrão). Rsrsrsrs