terça-feira, 18 de novembro de 2008

Dia de trabalho, troca e reposição energética


Acordar (com sertanejo pois rádio aqui não toca outra coisa, principalmente nesse horário). Me arrumar. Todo dia queijo-quente com café. Partir em direção ao trabalho.Vou pela BR cantando, a pé. Nesse momento escuto James Morrison.

Vários trabalhadores, que saem no mesmo horário do que eu e esperam sua condução, olham "a doida", que anda sempre de rabo de cavalo, óculos escuros "raiban" e a mesma roupa sempre (eu mudo, mas o estilo é sempre o mesmo - blusa branca justa e bermuda branca até o joelho), que canta pelo caminho. Não faço a menor idéia do que passa pelas suas cabeças, mas TODO dia eu me questiono. Será o que comentam? Será que, ao menos, o fazem? (egocentrismo? timidez?)

Chego na primeira casa, resolve-se. Entre a primeira e a segunda, peço paciência e canto. Segunda casa, engulo sapo e resolvo. Agradeço por ter saído de lá. Terceira casa, trabalho com gosto e agradeço por ter ao menos algumas assim. Quarta casa existe uma "complicação" - uma pessoa com transtornos psiquiátricos grave - tenho medo, trabalho e fico feliz ao terminar. Posto (o que ocorrerá?) - "confraternizo", descubro mais problemas e algumas soluções e mais trabalho. Quinta casa, trabalho com gosto. Sexta casa, apreensão - algo errado? Duas visitas extras - só de bater o olho penso: problema, e o resolvo. Última visita: muita dedicação.

Olha, quem não acredita (assim como eu não fazia) que as pessoas liberam energia e impregnam as outras, me desculpe, mas isso REALMENTE OCORRE! 12:30 h estava plenamente ESGOTADA. E é um cansaço que não acaba, que não é "descansável".

Tem que repor energia. Mas como? Como a repomos?

Curtindo... bebendo... exercícios físicos... apaixonando-se!

Hum... não posso beber direto, virarei alcóolatra! Exercícios físicos no momento são impossíveis devido à questões como falta de tempo e não poder me ausentar de casa (quem me conhece sabe)! "Curtir" (meus hobbies) entra na mesma questão (não posso me ausentar de casa).

APAIXONAR-SE! Putz!! eita... vou ficar eternamente sem energias...

Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii turminha... que saudades de vcs: Rê, Vivi, Rachel (doida), Nana (e o Lost), Carol (e os telefonemas), Luana (e a praça), meninas do trabalho (rir muito), são tantos e por tantos motivos. Acho que poderia sugar um pouco da energia de vocês agora...

10 comentários:

Laura Schwartz disse...

E eu fui incluída fora dessa, né? rsrsrsrsrsrs Será que sou tão dampira assim que eu acrescento pros problemas? Huahahahahahahaha!

Lancaster disse...

Putz, só Sertanejo todo dia é dose...

Diana Bitten disse...

Para Laura:
Tá maluca???? Prá fazer um comentário dodo desses só sendo uma dampira mesmo!!!

Vc é o "amor da minha vida" versão feminina, minha irmã!

Mas como vc estava há tanto tempo longe, e, agora, graças aos "meios alternativos" nos vemos sempre, é como se voltássemos no tempo prá mim. Sendo assim sinto sua presença constantemente, saca?

Nossa!! Tá satisfeita com essa declaração? Dampira?

Diana Bitten disse...

Lancaster:
Nem me fale... mas seis horas da manhã só tem isso!!! Deus me ajude!

Mas dessa forma é bom pois eu levanto correndo.. prá desligar o despertador! rsrsrs

Lancaster disse...

Pior que eu tenho uma simpatia meio antropológica por isso. Veja bem: um bando de gente que anda chapéu de cowboy e chama de sertanejo umas baladas chupadas não do bom country de gente como Johnny Cash, mas do country mais cafona que se possa encontrar, é algo que enfurece muita gente pentelha que se ancora sob um discurso folclórico – e que merece ser sacaneada.

Mas que ouçam LONGE DE MIM! XD

Diana Bitten disse...

Lancaster:
Olha, o estilo de vida "caipira" eu respeito..

Mas essa cafonada braba escondida atrás de músicas que tem como único objetivo tirar dinheiro de mulher carente e homem corno eu não gosto não, saca?

Lancaster disse...

Não é isso.

É que eu acho que culturas são dinâmicas, sujeitas a influência, e isso é natural. E tem gente como o Ariano Suassuna, por exemplo, que se dependesse deles, o brasileiro viveria em casas de pau-a-pique, tocando a flauta tradicional e virando documentário na rede brasil. O Mangue Beat foi super atacado por ele.

Então esse estilo de vida eu também acho horroroso, mas como ele irrita algumas pessoas certas, eu meio que relaxo e deixo passar.

Mas novamente repito:
Longe de mim. ;)

Diana Bitten disse...

"Então esse estilo de vida eu também acho horroroso, mas como ele irrita algumas pessoas certas, eu meio que relaxo e deixo passar."

Quem? Os pseudo-intelectuais? Essa parte eu me perdi, desculpe.

Laura Schwartz disse...

Agora sim, quero um post só pra mim! Huahahahahah! Sacanagem!

Diana Bitten disse...

Ciumentaaaaaaaaa!!