quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Punição Escolar

Olha, tenho preferido não fazer comentários sobre as notíticas que tenho visto. De vez em quando até penso que seria interessante comentar uma coisa ou outra que passa pela minha cabeça, mas acaba que por algum motivo (ou preguiça) eu desisto.

Porém, por ter trabalhado mais de oito anos na Educação, eu sou obrigada a comentar sobre a notícia que foi exibida em todos os jornais ontem, sobre o menino que sujou a parede de sua escola e teve como punição repintá-la. Até ai, perfeito. O problema foi a atitude dos pais, que fizeram um escândalo em função da punição do menino (pera ai, quando eu digo menino não me refiro a uma criança de 6, 7 anos, e sim um adolescente de 14, ok?)

Só que, para defender seu filho (pelo menos eles - tolamente - acreditam que estejam fazendo isso...), os pais estão alegando que a professora exagerou na punição, além de ter humilhado o garoto por tê-lo chamado de "bobo da corte".

Para quem não viu eu resumo: o menino pixou (sim, Sr. Pai, é ESSE o termo) salas de aulas de uma escola recém pintada, em um mutirão social no feriado de 7 de de setembro, e quando estava re-pintando (sua punição) fazia gracinha para a turma (que filmava) com o boné na frente do rosto. A professora pediu por várias vezes para que ele retirasse o boné mas, apesar das tentativas, sem ser atendida ela disse: "Você está parecendo um bobo da corte fazendo palhaçada". Vejam AQUI ou AQUI.

Acredito que pessoas com o mínimo de discernimento e noção de cidadania não deveriam ver nenhum problema sobre a forma de punição escolhida. Aliás, a sociedade deveria ficar grata por profissionais, como estes educadores, que ainda tentam resgatar essas criaturas sem o mínimo de juízo ou regras!

Palavras do pai: "Ele só escreveu o nome dele, nem sei se isso pode ser chamado de pixação" e depois quando questionado sobre o que fará: "Eu estou estarrecido, nem sei o que fazer. Mas vou procurar os meus direitos. Vou até o fim (...). Eu só quis dar um grito de liberdade, e temos as provas do vídeo."

Sou só eu ou vocês também acham que esse sujeito poderia estar estarrecido ou lutando por causas VERDADEIRAMENTE louváveis? E grito de liberdade? Sinceramente, vcs tinham é que diminuir a liberdade do filho de vocês e ensiná-lo o mínimo de educação e noção de cidadania! E alguém podia ensinar a esse pai também o que significa PIXAÇÃO, e porque não VANDALISMO tb?

Quando eu digo que os padrões de certo e errado e que os valores estão todos trocados acho que ainda estou sendo boazinha! EU que estou estarrecida!

PS: Tem uma semana ele não vai a aula? Como se ele se importasse para isso! Humpf! Se fosse um estudante com um MÍNIMO de zelo em relação aos estudos ele CERTAMENTE não teria tido aquela atitude!

5 comentários:

Belita disse...

Concordo! Há casos e casos de punição. Um castigo "construtivo" é diferente de simples violência.´

Quanto ao pai, não vou nem comentar! É como aqueles dois da novela da Glória Perez (que eu nem curti, pra falar a verdade). A falta de NÂO tb cria delinquentes.

Laura Schwartz disse...

Tem que lembrar aos pais dele que em outros países a punição pelo que ele fez é ter a mão cortada, aí quero ver dar pio.

Achei foi é pouco, porque 1) a mão dele definitivamente não vai cair e 2) como foi vandalismo podiam ter punido ele mais que isso.

E ainda digo mais, a atitude dos pais é parte do problema do país, se fosse filho dos outros iam estar dando em cima também. O povinho desgraçado.

Diana Bitten disse...

É meninas, a crise de falta de cidadania, valores e ética crônica que o Brasil vive não será solucionada tão cedo (isso se for algum dia).

Temos que aprender muito com outras culturas.

Aliás, me lembrei agora do que uma professora minha de geografia disse uma vez: "o Brasil é perfeito, só o povo que estraga. Para consertar a mentalidade acho que só passando por tantos conflitos e guerra como por exemplo passou a Europa por tantas vezes."

Laura Schwartz disse...

Isso soa como Nair, tô certa?

Diana Bitten disse...

Certíssima! E ela estava errada...?