segunda-feira, 22 de junho de 2009

Amy Winehouse

Eu sempre tive uma antipatia doida pela Amy Winehouse. Antipatia esta que me impedia de "experimentar" sua música. E desconfiar de quem curtia.

Só que... um belo dia, atendendo na casa de uma paciente sua filha de 15 anos estava escutando "a coisa". Depois disso um amigo meu (crente, pasmem!) disse assim: "Diana, você devia escutar, pois tem coisas muito boas na música dela, os arranjos, os backs... eu acho que combina com você!"

Ignorei. Só que "a coisa" chegou ao meu computador através de um MP3.

Entrou e ficou. Sucumbi. Pronto, danou-se. Só escuto isso há dias!

Ainda não conheço "a coisa" completamente, claro, pois estou recente no vício, mas por este CD que está aqui, que se chama Back to Black, estou achando que logo logo conhecerei todas as suas músicas (que , aliás, não saem da cabeça!).

Ai dei uma pesquisada de 10 minutos na vida da criatura e, cara, não consigo pensar em outra coisa a não ser desperdício. O que essa humana insandecida pensa da vida para acabar com a dela daquele jeito???

E provavelmente nos privar de sua música rapidamente pois, pelo ritmo que ela vai, logo logo descobre o que ocorre depois da passagem...

5 comentários:

Laura Schwartz disse...

Eu jurava que tinha dividido meu vício pela Amy Winehouse ano passado, porque com certeza eu enchi a paciência da minha mãe e irmão pra eles gostarem também. :p

ponto G disse...

Eu amo a Amy! A música é realmente maravilhosa, apesar de ela ser uma louca, talvez isso influencie sua música, enfim..

Diana Bitten disse...

@Laura:
Disse não! Coisa que eu REALMENTE estranho. Nunca vi vc não tentar incutir em mim seus vícios (vice-versa né?)

@ponto G:
Bem vinda! A música dela é muito bacana! Vicia! Mas ela como pessoa tinha que passar por uma grande transformação, né?

Lancaster disse...

Fiz questão de comprar os dois CDs em edição especial, de cd duplo com extras. Porque daqui a pouco nem isso mais vai ter.

Diana Bitten disse...

Nem o Cd mais? rsrsr

Eu acho que ela não dura muito, mas sua música ainda dará muito o que falar, não acha?