domingo, 13 de junho de 2010

Férias na Holanda

Maratona de Banca - Junho

Esse mês o tema da maratona é "livro florzinha". Se como eu, vocês não sabiam o que era isso, eu explico: são esses livros da década de 70/80 (se não me engano) que tem uma florzinha na capa. Acho que são os Sabrina, Biana e Júlia, porém eu não pesquisei para dar essa informação (valiosíssima, e que mudará a vida de todos que estão lendo, tenho certeza rsrs) .

Vamos ao livro: A enfermeira instrumentadora Emma - solteira, claro -, ao tirar férias com a mãe na Holanda acaba por bater o carro (ou melhor, a coisa velha que ela se sujeita a andar, bem no estilo do meu) em um Rolls Royce maravilhoso, de um dono também maravilhoso e, após esse evento, as "surpresas" (previsíveis, é claro) começam a ocorrer. A primeira delas é que, coincidentemente, ele acaba por ser o novo cirurgião que trabalhará junto a ela. Bom, o resto é só vocês lendo senão eu corro o risco de contar spoilers.

Olha, não sei se é devido ao meu estilo pessoal, mas eu não curto as protagonistas muito passivas, boazinhas, bobinhas, tímidas e levemente tapadas e é esse o caso da Emma. Se eu pudesse FALAR com cada um que está lendo essa resenha, eu tenho certeza que concordariam comigo. Essa coisa da pessoa ser a última a saber que o cara está a fim dela tem limite! Eu sou meio tapada para isso, admito, mas quando o cara praticamente VIVE EM FUNÇÃO de uma pessoa é fácil notar, não é? Quando o cara praticamente carrega a sogra no colo, é fácil notar, né? Quando o cara te chama de amor e querida, é fácil notar, né? Quando o cara te leva para se recuperar de uma doença em sua própria casa, É FÁCIL NOTAR, né? Me poupe!

Ele é perfeito, claro. Mas é um perfeito inexistente. Um cara (como disse: perfeito) de 40 anos, lindo, rico, super inteligente, com uma ótima profissão, respeitado, respeitador, maduro, seguro, carinhoso, cuidadoso... nossa, até canso de listar suas qualidades... VAI SER SOLTEIRO? Vai estar esperando a mulher da sua vida? E essa mulher vai ser uma puta insossa? Ah! Me poupe!

O que me matou nesse livro é o seguinte: ele tem um ótimo argumento e pano de fundo! Mas foi mal trabalhado nos detalhes e, principalmente na relação dos dois, que foi toda muito óbvia e forçada.

Credo, fui muito austera na minha crítica, né? Não gente, não precisa correr desse livro. Ele distrai bastante, tiveram partes que eu fiquei tão ansiosa que eu cheguei até a dar uma suadinha, mas que podia ser MUITO mais bem trabalhado e menos forçado, isso sim, podia.

4 comentários:

Patota disse...

Antes eu adorava um livrinho de banca. Hj não gosto muito não.
Só quando não tenho nada pra fazer e tem um ali perto.

Laura Schwartz disse...

Só vou fazer UM comentário: essas capinhas matam!

Diana Bitten disse...

Olá Patota!

É, os livrinhos de banca funcionam mesmo para aquelas madrugadas que vc perde o sono, ou domingos chuvosos, ou quando vc está resfriada... em momentinhos à toa para levantar seu astral.

Mas eu resolvi fazer parte da Maratona e estou me divertindo! rsrs


@ Laura:

Essa ai nem é tão triste, é só cafona e antiga, mas nossa, tem umas que dão até vergonha!

Beijos meninas!

Natália Alexandre disse...

A maratona é bem legal né?

As mocinhas dos livros florzinhas são (a maioria) lesadinhas e o cara machão ao extremo. Mas algumas se salvam rs

A que eu li esse mês tem final triste pro mocinho pense?? Um florzinha que revolucionou a literatura de banca.

Bjss