sexta-feira, 27 de março de 2009

Valorização do bem

Estava lendo uma notícia sobre a AIDS e, graças a umas poucas almas iluminadas que fazem pesquisa, estamos próximos de uma cura. Isso me fez pensar em umas questões (não diretamente relacionadas).

A notícia está aqui. Mas para os preguiçosos ou que não queiram ler em inglês podem encontrar uma reportagem sobre ela aqui.

O resumo é que há uma mutação ( localizada no cromossomo 3) em 1% dos europeus que os torna imune à AIDS. Tal grupo tem sido alvo de pesquisadores e, certo dia, a medula de um deles serviu para um transplante em um aidético que tinha leucemia. Resultado? Há dois anos o sujeito está sem AIDS.

Bom, discussões éticas à parte, já que ainda haverão inúmeras pesquisas e tentativas de "criar essa mutação" (não é bem isso) nos portadores do vírus e nos aidéticos... a questão (que eu havia pensado) é:

Por que não valorizamos os pesquisadores? Aliás, POR QUE NÃO VALORIZAMOS O QUE O MUNDO TEM DE BOM???

No mundo caótico que estamos vivendo, com a sociedade à beira de um colapso sócio-econômico-psicológico (se é que isso existe), só vemos divulgação e incentivo à porcarias! Isso tem que ter um fim!

Você não vê ninguém estimular no horário nobre as pessoas a estudarem. Você quase não vê banners de internet com estímulo à cultura. Você NUNCA viu um outdoor estimulando a crítica social (não estou falando aquelas babaquices políticas). Você não vê instituições de ensino (nem superior!) criando cidadãos pensantes, críticos, e que tenham a vontade de trabalhar pela nação, pela humanidade (sendo mais globalizada).

O que a gente vê? Vulgaridade, apelo, estímulo ao consumo, evidência ao crime (em todas as suas formas), a humanidade no mais baixo do seu nível.

Quando vemos algumas pessoas se "movimentando", pode acreditar que aquilo partiu de seu íntimo. Era opção pessoal. Não motivação dada por algum fator externo (se foi, pode apostar que foram os pais).

Quando vemos alguma instituição ou programas de incentivo "às coisas boas" (valorização do meio ambiente, conscientização social, estímulo à vida saudável... entre tantos), dificilmente elas não tem algum outro objetivo capitalista por trás.

Perdemos o idealismo. Perdemos a vontade de fazer o bem e o melhor. Perdemos o respeito ao planeta. Perdemos o respeito ao semelhante e à natureza. Perdemos, portanto, o amor à nós mesmos.

Vamos estimular o que há de bom sempre que pudermos. Estimule a você mesmo a não cair nessa mediocridade na qual estamos vivenciando.

2 comentários:

Laura Schwartz disse...

Bem verde o seu post hoje. Só não vale falar que a culpa da crise é da gente loira de olhos azuis!

rsrsrs Foi mal, tenho polvo na cabeça hoje, idiota. O polvo, ou Lula, não você.

Na verdade concordo sobre falta de estímulo ao que vale a pena de verdade ser investido, e admito que sofro desse mal muitas vezes.

Diana Bitten disse...

EU SOU VERDEEEEEEEEEE!

SOU E SEMPRE SEREI!!!